Promoção!

Batuíra: o Diabo e a Igreja

R$20,00 R$10,00

Esta obra traz episódios até então desconhecidos de um grande pioneiro do Espiritismo em São Paulo: Antônio Gonçalves da Silva “Batuíra”, um homem singular que viveu na capital paulista no final do século XIX e início do XX.

Sem estoque

REF: 8573746114. Categorias , , .

Descrição do produto

Auto:r Eduardo Carvalho Monteiro
Assunto: Biografia
Editora: Madras
Páginas: 224
ISBN: 8573746114
Medidas: (cm) 16 x 23

Esta obra traz episódios até então desconhecidos de um grande pioneiro do Espiritismo em São Paulo: Antônio Gonçalves da Silva “Batuíra”, um homem singular que viveu na capital paulista no final do século XIX e início do XX. Era conhecido por Batuíra, o “velhinho de barbas brancas”, notável filantropo e médium curador que nada cobrava pelas curas físicas e mentais que promovia, fossem seus assistidos pobres ou ricos. Suas façanhas mais conhecidas eram a libertação de “loucos” violentos das cadeias. Se em Batuíra, Verdade e Luz mostramos facetas de sua personalidade, principalmente antes de se tornar espírita, sua conversão e seu enquadramento na época e sociedade em que viveu em fins do século XIX e início do XX, neste Batuíra, o Diabo e a Igreja mostramos nosso pioneiro exclusivamente na sua riquíssima vivência espírita e a ênfase do título é para retratar o acerbos combates que teve de travar com lideranças católicas em defesa de si e da Doutrina que abraçara com tanta fé e denodo. Batuíra consumiu toda sua fortuna pessoal na obra caritativa que mantinha junto à Instituição Cristã Beneficente “Verdade e Luz” e o jornal do mesmo nome, que circulou de 1890 a 1909, em que se defendia dos ataques do Clero, em especial das Exmas. Damas de Caridade da Diocese de São Paulo. Seu pioneiro e destemido Jornal Verdade e Luz, com tiragens de até 15.000 exemplares, foi verdadeiro defensor e propagador do Espiritismo no Brasil. Uma das figuras mais expressivas da História do Espiritismo, Batuíra imortalizou nos arredores do bairro Lava pés em São Paulo a Rua do Espírita. Fosse ele católico, não faltariam milagres em seu currículo para canonizá-lo. Como não o foi, o Diabo rondava-lhe os calcanhares. Saravá ou Amém? Nenhum dos dois. Batuíra foi e será sempre Verdade e Luz.

Informação adicional

Peso 0.250 kg

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a fazer uma avaliação “Batuíra: o Diabo e a Igreja”